Moro e André Mendonça batem boca em rede social após ex-juiz criticar Bolsonaro por demora em vacina


Dezenas de países começaram a vacinar; Brasil não tem data prevista. Moro indagou se há ‘presidente em Brasília’, e Mendonça questionou se ex-ministro tem ‘legitimidade’. Montagem de fotos de Sérgio Moro e André Mendonça.
Ueslei Marcelino/Reuters e Marcello Casal Jr./Agência Brasil
O ex-ministro da Justiça Sergio Moro e o atual chefe da pasta, André Mendonça, bateram boca nesta segunda-feira (28) em uma rede social após Moro ter criticado o presidente Jair Bolsonaro.
Na mensagem publicada no Twitter, Moro criticou Bolsonaro pela demora no Brasil em começar a vacinar a população contra a Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus.
Dezenas de países já começaram as companhas de vacinação – 25 dos 27 da União Europeia (UE), assim como Estados Unidos, China, Canadá, Rússia, entre outros. Nesta segunda, Bélgica, Luxemburgo e Letônia foram adicionados à lista. O Brasil, apesar de ter contrato com a vacina da AstraZeneca e da Universidade de Oxford (produção pela Fundação Oswaldo Cruz), ainda não conseguiu aprovar o produto e iniciar a imunização.
Após a publicação de Moro, André Mendonça publicou mensagem na qual criticou o antecessor, afirmando que o ex-juiz, enquanto ministro da Justiça, “entregou tão pouco”.
“Vários países, inclusive da América Latina, já estão vacinando seus nacionais contra a COVID-19. Onde está a vacina para os brasileiros? Tem previsão? Tem Presidente em Brasília? Quantas vítimas temos que ter para o Governo abandonar o seu negacionismo?”, publicou Sergio Moro na rede social.
“Vi que @SF_Moro perguntou se havia presidente em Brasília? Alguém que manchou sua biografia tem legitimidade para cobrar algo? Alguém de quem tanto se esperava e entregou tão pouco na área da Segurança?”, respondeu André Mendonça.
“Quer cobrança? Por que em 06 meses apreendemos mais drogas e mais recursos desviados da corrupção que em 16 meses de sua gestão?”, acrescentou o ministro da Justiça.
Moro, então, respondeu: “Ministro, o senhor nem teve autonomia de escolher o Diretor da PF ou de defender a execução da pena da condenação em segunda instância (mudou de ideia?), então me desculpe, menos. Faça isso e daí conversamos.”
Moro deixou o governo em abril deste ano. Na ocasião, acusou o presidente Jair Bolsonaro de ter tentado interferir na Polícia Federal ao demitir o então diretor-geral da corporação, Maurício Valeixo, indicado por Moro.
Diante das acusações de Moro, a Procuradoria Geral da República (PGR) pediu, e o Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou a abertura de um inquérito para investigar se Bolsonaro interferiu na PF.
Desde o começo das investigações, Bolsonaro nega a acusação de Moro.

Ultimas notícias

Prefeito do Recife, João Campos, e deputada Tabata Amaral anunciam que estão com Covid-19

Gestor da capital pernambucana publicou um vídeo, neste sábado (16), nas redes sociais. Namorada dele, a parlamentar também...

Venezuela envia caminhões com cilindros de oxigênio para Manaus

O ministro de Relações Externas da Venezuela, Jorge Arreaza, anunciou neste sábado, 16, que caminhões com cilindros de oxigênio saíram do país em direção...

Você viu? Agressão contra Henri Castelli, estupro em Arapiraca, resgate de jovem sequestrada e mais notícias do G1 Alagoas

Leia seleção de reportagens com as notícias mais lidas de 11 a 15 de janeiro. Confira algumas...

Filho de Mauricio de Sousa rebate seguidora que criticou foto dele beijando o marido

O ator Mauro Sousa, filho do cartunista Mauricio de Sousa, rebateu um comentário de teor homofóbico que recebeu em uma foto postada no Instagram...
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com