A irresponsabilidade da divisão (por Cristovam Buarque)

O presidente eleito em 2018 surpreende sempre para pior. Nesta semana, foi o deboche para se referir à tortura sofrida por sua antecessora, a presidente Dilma Rousseff, quando jovem militante contra a ditadura. Só este gesto demonstra sua psicologia política doentia. Mas na mesma semana, disse “estar nem aí” para a demora em aprovar e distribuir a vacina contra o corona vírus, debochando também do sofrimento de milhões e da morte de 200 mil pessoas, que o elegeram para gerenciar nossa saúde. Bolsonaro já provou seu despreparo técnico e psicológico para cuidar do presente e conduzir ao futuro, mas também provou estar preparado para a politicagem que elege os populistas irresponsáveis. Devido a este preparo cínico, ele pode se reeleger apesar do péssimo desempenho de seu governo em todas setores, até mesmo com a possível volta da inflação, se as forças democráticas não se unirem com uma alternativa e um nome que não sofra maior rejeição que ele.

Com seu despreparo e maldade, Bolsonaro foi eleito sobretudo pelos democratas-progressistas que estiveram no poder por 26 anos. Por nossos erros, especialmente pelo PT, o eleitor queria “outro”, qualquer que fosse. Bolsonaro conseguiu usar uma máscara de “outro”. E por nossa divisão que permitiu colocar no segundo turno um nome que seria melhor presidente do que o eleito, mas que provocava rejeição no eleitor.

O Brasil e seus eleitores não merecem que as lideranças democráticas, de direita ou esquerda, repitam os erros da divisão que leve ao segundo turno um nome com rejeição maior do que o presidente com apesar de sua psicológica política doentia. Bolsonaro contará com um núcleo duro de simpatizantes que o colocarão no segundo turno.

Seria uma traição, que os democratas apresentem tantos nomes, que leve um núcleo duro de simpatizantes colocar no segundo turno um nome contrário ao Bolsonaro, mas que o elegerá na disputa entre os graus de rejeição e não de esperança. Não temos o direito de correr o risco de facilitar sua eleição pela rejeição ao seu concorrente. As lideranças democráticas lúcidas e responsáveis precisam se unir para construir uma alternativa capaz de chegar ao segundo turno e barrar a reeleição de Bolsonaro. Promover uma aliança com base em compromissos para um governo de transição que deixe as diferenças aflorar em 2026. Fizemos isto com Tancredo em 1985. Em 2022, temos a obrigação de repetir aquela unidade. Podemos exigir que o nome escolhido assuma o compromisso de não tentar a reeleição, que seu governo seja uma espécie de frente com compromissos básicos em comum.

Até aqui, a aliança para eleger o novo presidente da Câmara dos Deputados, a unidade na defesa do uso da ciência e a solidariedade à ex-presidente Dilma nos permitem esperança na possibilidade de uma unidade por uma presidência com sanidade mental e valores democráticos.

Cristovam Buarque foi senador, ministro e governador

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Yá Burihan anuncia término com Lipe Ribeiro após pedido de casamento em ‘A Fazenda’

A influenciadora digital Yá Burihan anunciou que não está mais noiva do ex-participante de “A Fazenda 12” Lipe Ribeiro. No Twitter, ela disse que...

Prefeito do Recife, João Campos, e deputada Tabata Amaral anunciam que estão com Covid-19

Gestor da capital pernambucana publicou um vídeo, neste sábado (16), nas redes sociais. Namorada dele, a parlamentar também...

Venezuela envia caminhões com cilindros de oxigênio para Manaus

O ministro de Relações Externas da Venezuela, Jorge Arreaza, anunciou neste sábado, 16, que caminhões com cilindros de oxigênio saíram do país em direção...

Você viu? Agressão contra Henri Castelli, estupro em Arapiraca, resgate de jovem sequestrada e mais notícias do G1 Alagoas

Leia seleção de reportagens com as notícias mais lidas de 11 a 15 de janeiro. Confira algumas...
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com