WhatsApp avisa que irá compartilhar dados dos usuários com o Facebook


Aplicativo começou a enviar uma notificação sobre mudanças em sua política de privacidade que passará a valer em 8 de fevereiro. Aceite é obrigatório. WhatsApp está avisando sobre nova política de privacidade.
AFP
O WhatsApp começou a enviar nesta quarta-feira (6) uma notificação sobre mudanças em sua política de privacidade.
A novidade garante o compartilhamento de dados com o Facebook, dono do app de mensagens, e está relacionada com funções como o carrinho de compras em conversas com lojas, anunciado em dezembro passado (veja mais abaixo).
O aceite é obrigatório e os usuários não possuem opção de não compartilhar seus dados pessoais.
“Ao tocar em aceito, você concorda com os novos termos e com a política de privacidade, que entram em vigor em 8 de fevereiro de 2021”, diz a notificação.
“Depois dessa data, você precisará aceitar as atualizações para continuar usando o WhatsApp. Você também pode visitar a Central de Ajuda se preferir apagar a sua conta e desejar obter mais informações”, continua o aplicativo.
Notificação com informações sobre os novos termos e políticas de privacidade do WhatsApp.
Reprodução/Arquivo pessoal
A última vez que o app fez uma grande mudança de política de privacidade foi em 2016, mas as pessoas podiam negar o compartilhamento de dados com o Facebook.
O que vai ser compartilhado?
Os termos que passam a vigorar em 8 de fevereiro possui seções que permitem que empresas ligadas ao Facebook armazenem, gerenciem e processem dados do WhatsApp.
O aplicativo de mensagens usa criptografia ponta-a-ponta, o que significa que somente o remetente e destinatário podem visualizar o conteúdo.
Entre os dados que o WhatsApp poderá compartilhar com outras empresas do Facebook estão:
informações de registro, como o número de telefone;
endereço de IP;
informações sobre o dispositivo utilizado;
dados de transações e pagamentos;
informações sobre como você interage com outros (incluindo negócios).
As empresas do Facebook que ganharão acesso aos dados dos usuários do WhatsApp são Facebook Payments, Onavo, Facebook Technologies e CrowdTangle.
Integração com outros produtos
Segundo a companhia, as informações podem ser usadas para:
ajudar a melhorar sistemas de entrega e de infraestrutura;
entender como os serviços são usados;
promover segurança e integridade em todos os produtos;
melhoras serviços e experiências com sugestões para os usuários (como a recomendação de conteúdos ou amigos);
integração para conectar o WhatsApp com outros produtos do Facebook.
O último item cita integração com o Facebook Pay, que deve servir como base para o sistema de pagamentos do WhatsApp, que chegou a ser testado no Brasil no ano passado, mas foi barrado pelo Banco Central e pelo Cade.
Em dezembro passado, o WhatsApp anunciou uma função de carrinho de compras em conversas com lojas. O recurso ajuda a organizar pedidos e, pelo menos por enquanto, não inclui uma solução de pagamentos integrada – que está nos planos da empresa..
Além disso, há menção para “habilitar conversas com seus amigos em outros produtos do Facebook”. Em 2019, o presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, confirmou planos de integrar o WhatsApp com o Messenger e Instagram Direct, ambos aplicativos de conversa que pertencem à empresa dele.
Em setembro passado, a companhia juntou mensagens do Instagram e Messenger, permitindo que usuários do Messenger começassem conversas e chamadas de vídeo com pessoas que estão no Instagram e vice-versa. A opção ainda está em fase de testes.
Autoridades de olho
O Facebook foi alvo de acusações de monopólio nos Estados Unidos em dezembro passado, após a Comissão Federal de Comércio (FTC, na sigla em inglês) dos EUA e 48 autoridades estaduais apontaram que a companhia mantém seu domínio nas redes sociais por meio de uma conduta anticompetitiva.
São citadas como partes dessa estratégia as compras dos então rivais em ascensão Instagram e WhatsApp pela companhia – em negócios bilionários fechados em 2012 e 2014, respectivamente. A comissão considera a possibilidade de que isso tenha de ser desfeito.
A integração desses aplicativos vai na contramão de soluções apresentadas pelas autoridades americanas, que incluem a venda desses ativos ou a divisão deles.
Veja vídeos sobre tecnologia no G1

Ultimas notícias

Prefeito do Recife, João Campos, e deputada Tabata Amaral anunciam que estão com Covid-19

Gestor da capital pernambucana publicou um vídeo, neste sábado (16), nas redes sociais. Namorada dele, a parlamentar também...

Venezuela envia caminhões com cilindros de oxigênio para Manaus

O ministro de Relações Externas da Venezuela, Jorge Arreaza, anunciou neste sábado, 16, que caminhões com cilindros de oxigênio saíram do país em direção...

Você viu? Agressão contra Henri Castelli, estupro em Arapiraca, resgate de jovem sequestrada e mais notícias do G1 Alagoas

Leia seleção de reportagens com as notícias mais lidas de 11 a 15 de janeiro. Confira algumas...

Filho de Mauricio de Sousa rebate seguidora que criticou foto dele beijando o marido

O ator Mauro Sousa, filho do cartunista Mauricio de Sousa, rebateu um comentário de teor homofóbico que recebeu em uma foto postada no Instagram...
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com