Nova rede de academias surge para disputar mercado com Smart Fit

O empresário Fernando Nero, um dos fundadores da BlueFit e sócio da Spider Kick, a rede de academias do pugilista Anderson Silva, está com um novo projeto. Quem passa pela Rua Augusta, tradicional endereço da cidade de São Paulo, já nota que, em frente ao Conjunto Nacional, um novo estabelecimento está prestes a abrir as portas. Será a rede de academias Ultra. Primeira unidade do projeto, o espaço de 1,3 mil metros quadrados demandou aporte da ordem de 4 milhões de reais e deve funcionar como uma flagship que irá nortear a expansão da marca a nível nacional. O projeto da rede, que atuará por meio de franquias, envolve a abertura de ao menos 30 academias em 2021. Em cinco anos, a ideia é ter 300 pontos.

Há oito unidades em obras e pelo menos 18 franquias assinadas, em São Paulo, Goiás, Distrito Federal e Paraná. Cada unidade demandará um capital de investimento entre 1,5 milhão de reais, no modelo compacto, e 3 milhões de reais em espaços que poderão ser acoplados a uma outra marca de academias parceira, como a própria Spider Kick ou o estúdio Ballet Fitness, de Betina Dantas — como a primeira loja se trata de uma flagship, o aporte foi mais alto. Parte significativa desse valor pode ser financiado caso o interessado em abrir uma franquia deseje algum tipo de facilitação na hora de fechar o acordo. Além disso, cada projeto demanda uma taxa de franquia de 100 mil reais para garantir suporte de treinamento, plano de marketing e acompanhamento das obras. A taxa de royalties é de 8% sobre o faturamento bruto da unidade. Para o cliente, os planos giram a partir de 97 reais.

O objetivo é ganhar escala e herdar alunos órfãos de atividades físicas. Segundo Nero, a pandemia acelerou o processo de fechamento de unidades no ramo. “Por conta da pandemia do coronavírus, cerca de 30% das academias que não estão vinculadas a uma rede vão fechar para sempre, o que vai gerar uma série de alunos órfãos, querendo treinar. Isso vai gerar oportunidades para os novos entrantes”, afirma o empresário. Para chegar em 300 pontos espalhados pelo país, ele quer aproveitar o aumento da vacância no Brasil. “Bancos, concessionárias e lojas de varejo estão fechando e deixando vários pontos para serem ocupados aqui no Brasil”, diz. Ele aposta ainda que o momento é oportuno para expandir negócios por meio de franquias, haja vista a atraente taxa básica de juros. Neste mercado, a maioria das grandes redes se associou a fundos de investimento para crescer.

+ Siga o Radar Econômico no Twitter

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

‘The Voice+’: saiba detalhes de como será a edição para maiores de 60 anos

O “The Voice+“, edição do reality show musical da Globo que conta apenas com participantes acima de 60 anos, estreia neste domingo, 17. Claudia...

Máscara, caneta preta, documentos: o que levar para o Enem 2020

Após diversos pedidos de adiamento, a primeira etapa do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) acontece neste domingo, 17. Por causa da pandemia da Covid-19,...

Kelly Key fala sobre assédio de diretor de TV: ‘Desagradável conviver com isso’

A cantora Kelly Key revelou que já sofreu assédio de um diretor de TV e lamentou o fato desse tipo de situação ser corriqueira...

Internado pela segunda vez com sintomas da Covid-19, santareno volta a testar positivo para a doença; Sespa investiga reinfecção

Lauro Correa, coordenador da Unidade Descentralizada, ficou internado em abril de 2020. No mês de setembro passou mal,...
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com