O efervescente mistura entre Estado e religião no Brasil de Bolsonaro

Nas décadas de 70 e 80, a maior parte das igrejas evangélicas era conhecida pelo ascetismo político e cultural. Elas seguiam à risca o ensinamento bíblico de que os seguidores de Cristo “não pertenciam a este mundo” e, portanto, deveriam se manter afastados da “sociedade mundana”. Não era incomum encontrar manuais de boas condutas que tratavam a política como algo do demônio. Com a chegada do movimento neopentecostal, que deu origem a verdadeiros impérios religiosos, como a Universal de Edir Macedo, essa percepção mudou: o “mal” não seria mais combatido. “Eles perceberam que era mais vantajoso estar próximo do poder do que longe dele”, diz Luciano Luna, um dos coordenadores do núcleo religioso do PSDB. A comunidade evangélica levou ao pé da letra o novo mandamento. No governo de Jair Bolsonaro, cujo slogan é “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”, essa aliança ganhou uma dimensão inédita. A influência religiosa no Brasil de Bolsonaro vai desde as pautas de comportamento ditadas pelo Palácio do Planalto até a indicação de cargos por critérios religiosos, cuja expressão máxima é a pretensão do presidente de nomear para uma das vagas a ser abertas no STF um ministro “terrivelmente evangélico”. Para as eleições de 2022, o capitão ainda cogita ter como vice a ministra-pastora Damares Alves ou o deputado-cantor gospel Marco Feliciano (PSC).

A ascensão dos evangélicos na política e na sociedade não é um movimento anormal, tendo em vista que a sua influência cresce à medida que engrossam as fileiras de fiéis — hoje, já representam um terço da população. O Brasil caminha para ser o segundo maior país do mundo de maioria protestante — os Estados Unidos são o primeiro. Conforme previsões do demógrafo José Eustáquio, professor aposentado da Escola Nacional de Estatísticas do IBGE, os católicos deixarão de ser metade da população em 2022 e devem ser ultrapassados pelos evangélicos por volta de 2030. Tendo o Brasil como eixo condutor, o fenômeno ocorre em toda a América Latina, enquanto nos países mais desenvolvidos cresce o porcentual dos ateus e sem religião.

CONSELHEIRO MARCO FELICIANO NA MARCHA PARA CRISTO EM SÃO PAULO – um dos políticos mais próximos ao presidente –Newton Menezes/Futura Press

O grande problema desse fenômeno não está no fato de os evangélicos ocuparem espaços importantes da sociedade brasileira, mas na mistura de Estado com religião até o ponto em que não seja mais possível diferenciá-los. “Essa é uma confusão perigosa para uma sociedade pluralista, pois supõe que o poder de coerção do Estado faz valer as opções morais e religiosas de um segmento da sociedade sobre os demais”, afirma Cláudio Couto, professor de gestão e políticas públicas da Fundação Getulio Vargas.

E é justamente essa imposição de ideias que pode levar o Brasil a andar para trás em comparação com outros países. Projetos sobre temas importantes, como a permissão do aborto e a descriminalização das drogas, dormitam nos escaninhos do Legislativo por força do lobby evangélico. Além de batalhar pelas questões morais, os parlamentares da bancada da igreja dedicam parte considerável do mandato a garantir alvarás de templos, perdão de dívidas e isenções de impostos.

A MINISTRA DAMARES ALVES – Cogitada como possível vice em 2022 –Reprodução/Instagram

Um dado curioso é que, historicamente, boa parte dos evangélicos sempre lutou pela bandeira do Estado laico e da liberdade religiosa, uma vez que se viam oprimidos pela Igreja Católica — que na época da monarquia era considerada a religião oficial do Brasil. “Com o crescimento dos evangélicos pelo país e o ativismo político, ocorre novamente essa confusão, menos atrelada à denominação oficial (porque as igrejas evangélicas são muitas) e mais pela incorporação da pauta moral à agenda governamental”, acrescenta Couto, da FGV.

Apesar dos afagos constantes do presidente à bancada e aos eleitores dessa religião, ironicamente os evangélicos são menos fiéis que o outro grande pilar de sustentação de apoio ao governo, os bolsonaristas ideológicos. “Enquanto o presidente tiver a determinação de defender as bandeiras que acreditamos que trarão bênção e prosperidade ao país, estaremos juntos”, afirma o líder da bancada evangélica no Congresso, deputado Silas Câmara (Republicanos-AM). Entre os líderes religiosos, há uma máxima hoje que às vezes é levada mais a sério do que as palavras da Bíblia: “Os governantes passam, mas a igreja permanece”.

Publicado em VEJA de 13 de janeiro de 2021, edição nº 2720

Continua após a publicidade

Ultimas notícias

Cidade de São Paulo entra em fase vermelha a partir desta sexta, às 20h

Após novas discussões no Palácio dos Bandeirantes, o governador João Doria decidiu impor restrições mais severas à Grande São Paulo, incluindo a capital paulista....

Casal preso por matar personal trainer a facadas vai passar por exame de insanidade mental, diz advogado

Andressa Serantoni, de 28 anos, foi morta com mais de 30 facadas em São José do Rio Preto...

País das carteiradas inventa o fura fila da vacina contra o vírus

Sabe com quem fala? Se souber, denuncie, mas não estranhe o fato de que num país com tamanha concentração de renda os privilégios sejam invocados...

Polícia Federal investiga desvio de verba para educação infantil em São Paulo

Mais de 80 agentes da Polícia Federal e Receita voltaram suas atenções a unidades de centro de educação infantil. A operação Day Care aconteceu...
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com