Facebook deleta contas de autoridades de Uganda antes das eleições


Os dois principais candidatos são o atual presidente, Yoweri Museveni, de 76 anos, 35 deles à frente do país, e o astro da música e deputado Bobi Wine, de 38 anos. Yoweri Museveni, em imagem de 2004
Patrick Olum/Reuters
O Facebook encerrou, nos últimos dias, as contas de vários funcionários do governo de Uganda, acusados de interferência no debate público antes da eleição presidencial de quinta-feira (14).
Facebook e Instagram bloqueiam conta de Trump por tempo indeterminado
Os dois principais candidatos são o atual presidente, Yoweri Museveni, de 76 anos, 35 deles à frente do país, e o astro da música e deputado Bobi Wine, de 38 anos.
Instagram, Facebook e Twitter bloqueiam contas de Donald Trump temporariamente
“Este mês (janeiro), fechamos uma rede de contas e páginas em Uganda que estavam envolvidas em um comportamento falso coordenado, com o objetivo de influenciar o debate público antes da eleição”, disse o responsável de comunicação do Facebook para a África Subsaariana, Kezzia Anim-Addo.
Os usuários abriram contas falsas ou contas duplicadas para gerenciar páginas, se passaram por outras pessoas, compartilharam conteúdo em grupos para que parecessem mais populares do que realmente eram, disse Anim-Addo.
“Dada a iminente eleição em Uganda, reagimos rapidamente para investigar e eliminar esta rede. Descobrimos que esta rede estava ligada ao Grupo de Interação do Governo dos Cidadãos, do Ministério da Informação de Uganda”, disse a rede social.
Bloqueio das contas de Trump
Há um debate sobre qual deve ser a responsabilidade das empresas de tecnologia pelo conteúdo postado em suas plataformas.
Twitter, Instagram e Facebook suspenderam a conta do presidente dos Estados Unidos Donald Trump, o acusando de ter incitado seus seguidores a atos de violência contra o Congresso no Capitólio, em Washington.
Essas decisões foram denunciadas pelos apoiadores de Trump como um obstáculo à liberdade de expressão, um argumento também levantado em Uganda.
Antes deste incidente, o ambiente do presidente Museveni já acusava “forças estrangeiras” – sem especificar quais – de apoiar a oposição para conseguir uma mudança de regime, uma retórica agora usada contra o Facebook.
O assessor de comunicação do presidente Yoweri Museveni, Don Wanyama, que é uma das personalidades cujas contas no Facebook foram encerradas, acusou a rede social de querer influenciar as eleições.
“É uma pena que as forças estrangeiras pensem que podem instalar um regime fantoche em Uganda, desativando as contas online dos apoiadores do NRM”, reagiu o partido no poder. “Eles não vão se livrar do presidente Museveni”, acrescentou o conselheiro.
As contas do presidente não foram retiradas da rede.
Vídeos: mais assistidos do G1

Ultimas notícias

BBB 21: Lucas Penteado ganha imunidade depois da primeira prova de resistência

Nego Di e Lucas Penteado foram os vencedores da primeira prova de resistência do BBB 21, eles resistiram 8h30 em pé em um banquinho...

‘Grandes influenciadores podem não ter o engajamento de uma pessoa que é micro’, explica especialista Manu Carvalho

A influenciadora e especialista em marketing migitial Manu Carvalho disse que, no momento, muitas empresas estão apostando em micro-influenciadores em vez de investirem em...

Por causa da pandemia, juiz não marca julgamento de acusado de matar youtuber, no Paraná

Isabelly Cristine Santos morreu após ser baleada em Pontal do Paraná, em fevereiro de 2018. Juiz justificou que...

Peru mobiliza militares até a fronteira com o Equador para impedir entrada de migrantes

Representantes venezuelanos pedem 'abordagem humanitária'. Governo peruano justifica fechamento de fronteiras pela pandemia de Covid-19. Militares patrulham região...
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com