Câmara dos Estados Unidos vota a favor do impeachment de Donald Trump

A uma semana do fim do mandato do presidente Donald Trump, a Câmara dos Deputados dos Estados Unidos votou a favor do segundo processo de impeachment do republicano nesta quarta-feira, 13. Como já era esperado, todos os 222 congressistas democratas votaram a favor da medida, que recebeu o apoio adicional de dez republicanos. Dessa forma, o total de 232 votos a favor superou os 197 contra. Quatro deputados não votaram, todos do partido de Trump. O pedido de afastamento do presidente tem como base o argumento de que ele teria incitado a invasão dos seus apoiadores ao Capitólio no último dia 6, incidente que causou cinco mortes.

Vale ressaltar que, nos Estados Unidos, o processo de impeachment acontece de maneira diferente do Brasil. Donald Trump já é considerado o primeiro presidente da história do país que sofreu dois impeachments, mas o seu afastamento definitivo só ocorre caso o processo seja aprovado também pelo Senado. Caso o pedido de afastamento receba a aprovação final, Trump corre o risco de ser proibido de voltar a exercer cargos políticos no futuro. Em seu primeiro impeachment, por exemplo, Trump foi condenado pela Câmara dos Deputados, mas absolvido pelo Senado. Na ocasião, nenhum deputado republicano e só um senador do partido votou contra ele. Os números dessa votação indicam uma ruptura dentro do Partido Republicano.

Mais cedo, a democrata e presidente da Câmara dos Deputados, Nancy Pelosi, defendeu que Donald Trump teve responsabilidade sobre a invasão ao Capitólio. “Sabemos que o presidente dos Estados Unidos incitou essa insurreição, essa rebelião armada contra nosso país comum. Ele deve sair. Ele é um perigo claro e presente para a nação que todos amamos”, afirmou. Já os congressistas do Partido Republicano utilizaram os seus discursos, de maneira geral, para dizer que o impeachment acabaria promovendo uma divisão maior entre a opinião política do país. “Este não é o caminho a seguir se quisermos recuperar a união. Chegou o momento de procurar a cura. Vamos parar com este impeachment”, defendeu o republicano Jeff van Drew, de Nova Jersey.

Bloqueado do Facebook, do Instagram, do Twitter e do Youtube, Donald Trump ainda não se pronunciou publicamente sobre a decisão. Mais cedo nesta quarta-feira, 13, ele pediu aos seus apoiadores para não recorrerem à violência nos próximos dias. “Diante das informações sobre novas manifestações, insisto para que não haja nada de violência, ninguém desobedeça a lei e nenhum vandalismo de nenhum tipo”, declarou o presidente em um comunicado divulgado pela Casa Branca. A sessão na Câmara dos Deputados aconteceu no Capitólio sob segurança reforçada por centenas de soldados da Guarda Nacional.

Ultimas notícias

Perito criminal da Politec morre aos 67 anos por complicações da Covid-19 em MT

Ele também era professor e ex-secretário de educação e planejamento de Tangará da Serra. Perito criminal Adavilso Aparecido...

Após Anvisa autorizar uso emergencial das vacinas contra Covid-19, governador do AC embarca para buscar primeiro lote

Informação foi confirmada pela assessoria do governo e viagem ocorre ainda neste domingo (17). Governador Gladson Cameli...

Cilindro de oxigênio que tinha sido desviado de maternidade em Oriximiná, no Pará, é recuperado pelo prefeito em oficina

Elemento químico estava sendo usado para soldar máquinas. Cilindro foi levado para o Hospital Municipal. Cilindro de O²...

Hospital das Clínicas, em SP, o cenário do início da vacinação no Brasil

O plano de João Doria para ser o responsável pelo início da vacinação no Brasil estava pronto desde sexta-feira. Com a reunião da Anvisa...
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com