Assessor de Ministério é alvo de mandado de busca no Ceará em inquérito que investiga Sérgio Reis e deputado

schimtz
schimtz Instagram
5 Min Read


Ação investiga incitação a atos violentos e ameaçadores contra a democracia. Defesa do blogueiro não foi localizada. Wellington Macedo compartilhou em redes sociais vídeo de Sérgio Reis com divulgação de eventos antidemocráticos.
Reprodução
Assessor do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos (MMFDH), o blogueiro cearense Wellington Macedo de Souza foi um dos alvos de mandados de busca e apreensão expedidos pelo Supremo Tribunal Federal (STF) nesta sexta-feira (20). A ação investiga, além dele, o cantor Sérgio Reis e o deputado federal Otoni de Paula (PSC-RJ) por incitação a atos violentos e ameaçadores contra a democracia.
De acordo com o Diário Oficial da União, Wellington Macedo foi nomeado em 8 de fevereiro de 2019 para o cargo de assessor da Diretoria de Promoção e Fortalecimento dos Direitos da Criança e do Adolescente da Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente do MMFDH. O Portal da Transparência do Governo Federal aponta que ele continua na função e recebe salário de R$ 10.373,30.
Ao todo, 13 mandados foram autorizados pelo ministro Alexandre de Moraes e atendem a um pedido da subprocuradora Lindora Araújo, da Procuradoria-Geral da República (PGR). Segundo a decisão, o blogueiro cearense está envolvido na incitação de ato violento e antidemocrático.
O G1 não localizou a defesa de Wellington Macedo, e as ligações para o telefone do assessor não foram atendidas.
Agentes da Polícia Federal (PF) foram a 29 endereços no Distrito Federal (1), além dos estados de Santa Catarina (6), São Paulo (2), Rio de Janeiro (1), Mato Grosso (1), Ceará (1) e Paraná (1).
Os alvos são:
Sérgio Bavini (o cantor Sérgio Reis, no nome artístico);
Otoni Moura de Paulo Júnior, o deputado federal Otoni de Paula (PSC-RJ);
Alexandre Urbano Raitz Petersen;
Antônio Galvan, presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja Brasil);
Bruno Henrique Semczeszm;
Eduardo Oliveira Araújo, cantor;
Juliano da Silva Martins;
Marcos Antônio Pereira Gomes, o Zé́ Trovão;
Turíbio Torres;
Wellington Macedo de Souza.
Sérgio Reis e deputado Otoni de Paula são alvos de operação da PF
Após o vazamento de um áudio em que Sérgio Reis defende a paralisação de caminhoneiros para pressionar o Senado a afastar ministros do STF, subprocuradores-gerais pediram à Procuradoria da República, no Distrito Federal, a abertura de investigação a respeito do caso.
Wellington Macedo também compartilhou, em redes sociais, o vídeo do cantor Sérgio Reis.
Em entrevista ao jornal “O Globo”, o artista disse se arrepender de ter mandado o áudio para um amigo.
LEIA TAMBÉM:
ÁUDIO: ‘Nós vamos invadir, quebrar tudo e tirar os caras na marra’, diz Sérgio Reis
MAURO FERREIRA: Separar ou não separar o artista da obra?
Segundo a decisão, “Sérgio Reis também aparece em vídeo divulgado por Wellington Macedo […], cujo perfil no Instagram também convida cidadãos para o ato violento e antidemocrático”, escreveu o ministro do STF Moraes. De acordo com a PGR, a ação de paralisação citada foi “amplamente divulgada por Wellington Macedo”.
Em nota, a Polícia Federal afirmou que a operação tinha como objetivo “apurar o eventual cometimento do crime de incitar a população, através das redes sociais, a praticar atos violentos e ameaçadores contra a Democracia, o Estado de Direito e suas Instituições, bem como contra os membros dos Poderes”.
Moraes determinou que todos os investigados, à exceção de Otoni, não podem se aproximar da Praça dos Três Poderes.
Entenda o inquérito da milícia digital aberto pela PF que levou à prisão de Jefferson
Saiba mais sobre os cinco inquéritos aos quais Bolsonaro responde no STF e no TSE
Contra o blogueiro o ministro também determinou que fosse aberto um inquérito solicitado pela PGR e expediu ofícios às redes sociais Instagram, Twitter, YouTube e Facebook para que os perfis sob titularidade de Wellington e dos demais investigados sejam bloqueados.
Assista às notícias do Ceará no G1 em 1 Minuto:
Initial plugin text

Share This Article