‘Biden deu continuidade à política externa de Trump, como governo Bolsonaro esperava’, diz Filipe Martins

O assessor para Assuntos Internacionais da Presidência da República, Filipe Martins, afirmou, nesta quarta-feira, 27, que o governo Bolsonaro espera estabelecer uma boa relação diplomática com o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden. Para Martins, algumas decisões do governo recém-eleito indicam sintonia entre americanos e brasileiros na política externa. “A campanha de Biden, em relação a assuntos internacionais, tentou explorar o argumento de que eles teriam mais capacidade de fazer frente à ascensão da China do que o governo Trump. Há nos Estados Unidos um consenso de que é necessário reverter esta ascensão. Na América Latina, o governo Biden reconhece Juan Guaidó como representante legítimo da Venezuela, e não a ditadura de Maduro. A embaixada americana em Jerusalém também foi mantida, dando continuidade à política externa de Trump, como nós do governo Bolsonaro esperávamos”, disse Martins em entrevista ao programa Os Pingos nos Is, da Jovem Pan.

Questionado se o Brasil irá mudar as diretrizes de sua política ambiental para estabelecer melhor interlocução com os Estados Unidos, Filipe Martins afirmou que o grande desafio do governo Bolsonaro é “fazer com que os dados e informações sobre meio ambiente cheguem de forma clara no exterior”. “Em cada viagem que fazemos, fica muito claro para alguns membros de governo estrangeiros que, para eles, o Brasil é sinônimo de Amazônia. Mas, na verdade, temos um patrimônio que vai além disso. O governo tem priorizado a limpeza de suas águas, dos ares, tem feito a defesa do meio ambiente. Mais da metade da população brasileira sequer tem acesso a saneamento básico. Temos que colocar essas informações a esses governos. Há coisas que precisam ser feitas [na área ambiental], mas estamos agindo naquilo que afeta o brasileiro no dia-a-dia”, explicou.

O assessor para assuntos internacionais também afirmou que opositores do governo têm feito “alarde” e “estardalhaço” sobre a relação do Executivo com China e Índia. O Brasil depende dos dois países para a importação dos insumos necessários para a produção das vacinas desenvolvidas pelo Instituto Butantan e pela Fiocruz. “Nós vimos alarde e estardalhaço de críticos que diziam que o Brasil não seria capaz de adquirir as vacinas de Oxford por ter péssima relação com a Índia. Isso não é verdade. Há um ano, Bolsonaro foi o convidado especial do primeiro-ministro Narendra Modi na parada militar do país. As relações são as melhores possíveis. Em relação à China, disseram que a política externa atrapalhou, mas o próprio embaixador [Yang Wanming] ressaltou que não havia qualquer entrave por razão política. As coisas estão encaminhadas, as vacinas estão a caminho do Brasil e em breve os insumos estarão aqui”, disse.

Ultimas notícias

Ex-namorada de Arthur, do ‘BBB 21’, o defende de ataques: ‘Nunca foi um abusador’

Arthur Picoli, participante do “BBB 21”, começou a ser chamado de “abusador” nas redes sociais após fazer algumas brincadeiras de teor sexual junto com...

MC Kevin troca farpas com MC Livinho e se gaba: ‘Agora é fácil vir atrás de mim’

Os cantores MC Livinho e MC Kevin trocaram farpas pelas redes sociais por meio de lives no Instagram. A confusão começou porque Kevin disse...

Saiba quem corre risco de desenvolver e como tratar o transtorno de estresse pós-traumático

Quando vivemos situações emocionalmente intensas, parece que somos capazes de lembrar todos os detalhes, não importa quanto tempo se passou. Às vezes, ver uma...

HP compra divisão de games da Kingston

A Kingston Technology, líder mundial em produtos de memória e soluções de tecnologia, acaba de anunciar a venda de sua divisão de games, a...
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com