Cancelado devido à Covid-19, Carnaval em SP tem festas clandestinas com mais de mil pessoas

Lembrado pelas festas, músicas e aglomerações, o mês de fevereiro será diferente em 2021. Devido à pandemia do novo coronavírus, o carnaval foi cancelado ou adiado em diversos estados do país, inclusive em São Paulo. A suspensão definitiva da comemoração na capital ocorreu nesta sexta-feira, 12, através de um comunicado do prefeito Bruno Covas (PSDB). Além disso, no fim de janeiro, as gestões municipal e estadual anunciaram o cancelamento do ponto facultativo de Carnaval. No entanto, apesar dos esforços políticos, parte dos foliões decidiu não abrir mão das comemorações, frequentando festas organizadas clandestinamente enquanto dispara o número de casos e internações causadas pela Covid-19 no estado.

“É a melhor festa de carnaval da quarentena“, garante um dos organizadores da “Fexta Linda – A Tenda”. Divulgado no Instagram, o evento promete shows do DJ Lucas Beat, DJ Sapienza e DJ Bruu SP que se estenderam das 22h deste sábado, 13, às 5h de domingo, 14. A terceira edição da festa, que aconteceu em uma mansão na Zona Sul da capital, também contou com um open bar recheado de bebidas, como vodka, cerveja e, até mesmo, o serviço de “anões tequileiros”. As duas edições anteriores foram realizadas no período da pandemia. À reportagem, o organizador afirmou que mais de mil ingressos já foram vendidos, orientando a compra das últimas unidades por depósito via PIX, e prometeu que o evento será “o fluxo”, enviando vídeos registrados nas edições anteriores para comprovar o sucesso de público.

Reprodução/Whatsapp/Instagram

A festa “Arerê: Já é Carnaval” também compromete-se com a diversão dos jovens a partir das 22h deste sábado, desobedecendo as restrições em São Paulo. De maneira mais discreta, o evento é divulgado em grupos de WhatsApp através de um convite em vídeo enviado “apenas para convidados”. Para evitar que o agito seja interrompido, o documento afirma que os convidados devem pedir o endereço da festa aos organizadores em conversas privadas. As comemorações clandestinas ultrapassam o final de semana e arrastam-se do Morumbi ao Tatuapé até a Quarta-feira de Cinzas em São Paulo, segundo os “promoters”. Na Zona Leste, a casa noturna “Pacco Club”, localizada no bairro do Tatuapé, promete a “Segunda do Patrão” no próximo dia 15. O evento começa às 23h e será animado pelo DJ Samuk, DJ Cah e DJ Diego DC. Em conversa com a reportagem, que afirmou ser um cliente interessado em adquirir um convite, um dos funcionários revelou que a casa deve receber entre 300 a 400 pessoas. “Com nome na lista até 01h, mulher é VIP e homem paga R$ 30 seco ou R$ 60 com consumação. O camarote custa R$ 1.000, que podem ser convertidos em consumação”, disse. Questionado se haveria chance da polícia interromper a festa, afirmou que “não tem, já tá tudo no esquema. Baile até às 5h garantido”.

A fiscalização de aglomerações e eventos ilegais é de responsabilidade das prefeituras da cidade, mas a gestão João Doria garantiu suporte na ação. Desta forma, a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo colocou mais de 30 mil policiais nas ruas para dar suporte aos municípios até quarta-feira, 17. Na capital, o prefeito Bruno Covas promete cassar o alvará de estabelecimentos que fizerem as festas clandestinas de Carnaval. “A prefeitura pode entrar complementando a fiscalização, por exemplo, com a cassação do alvará, mas a coibição de festas é prática de crime e responsabilidade da Secretaria de Segurança do Estado de São Paulo”, concluiu Covas.

Ultimas notícias

Jô e Otero curtem resort em meio a surto de Covid-19 no Corinthians

A dupla Jô e Rómulo Otero, do Corinthians, está sendo criticada nas redes sociais por comparecer em um resort, nesta segunda-feira, 8, em meio...

Carlos Alberto de Nóbrega faz homenagem a humorista da ‘Praça é Nossa’ vítima da Covid-19

O apresentador Carlos Alberto de Nóbrega usou as redes sociais nesta segunda-feira, 8, para fazer uma homenagem ao ator e bailarino Kleber Lopes, que...

‘O Islã garante mais proteção à mulher do que qualquer lei social’, diz brasileira muçulmana

Assim como uma parte considerável dos brasileiros, Flávia Martinelli, 35 anos, acreditava que o islamismo era uma religião que discriminava as mulheres. A capixaba...

Duda Reis diz que marca distorceu seu depoimento em campanha: ‘Banaliza a luta da mulher’

A atriz Duda Reis passou a ser criticada nas redes sociais por estar envolvida em uma campanha publicitária de maquiagem que, para muitos seguidores,...
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com