Filho e mãe envolvidos com morte e ocultação do corpo de dubladora têm prisão preventiva decretada


Ainda com o cadáver no imóvel, Pedro Paulo Vasconcellos e mãe dele, Eliane Vasconcellos, continuaram a viver normalmente, inclusive saindo para beber, segundo fontes da investigação. Pedro Paulo Gonçalves e Christiane Louise eram amigos
Reprodução
Pedro Paulo Gonçalves Vasconcellos da Costa, de 27 anos, e a mãe dele, Eliane Gonçalves Vasconcellos da Costa, foram denunciados pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) pela morte e ocultação do corpo da dubladora Christiane Louise de Paula da Silva, assassinada em julho.
A Justiça estadual recebeu a acusação e ordenou a prisão preventiva, ou seja, por tempo indeterminado de Pedro Paulo e Eliane Vasconcellos.
“A prisão cautelar se impõe como forma de se assegurar a ordem pública. A medida também se justifica por conveniência da instrução criminal”, diz trecho da decisão.
O caso
De acordo com a polícia, Christiane foi morta por volta do dia 20 de julho deste ano depois de acolher Pedro Paulo no apartamento dela em Ipanema, na Zona Sul do Rio. Os dois eram amigos e se conheceram há quatro anos numa clínica psiquiátrica, onde passaram por tratamento.
Nos últimos tempos, Pedro Paulo estaria tendo crises e, por isso, passou a viver com Christiane.
Pedro Paulo chegou a ficar preso temporariamente e, na Delegacia de Homicídios da Capital, que investiga o crime, confessou o assassinato dizendo que foi legítima defesa – versão refutada no inquérito da polícia.
A apuração apontou que a mãe de Pedro Paulo, Eliane Gonçalves, ajudou o filho a ocultar o corpo de Christiane numa área de vegetação em Grumari, na Zona Oeste. Eliane ainda não foi encontrada.
Envoltos em lençóis e sacos plásticos, os restos mortais da dubladora foram deixados por Eliane, Pedro Paulo e uma terceira pessoa não identificada numa área de vegetação em Grumari, na Zona Oeste. O cadáver teria sido levado para lá num carro que a polícia segue buscando.
Corpo foi encontrado envolto em sacos plásticos em Grumari
Arquivo Pessoal
O cadáver da profissional de dublagem foi encontrado no dia 22 de julho, mas a perícia da Polícia Civil apontou que a morte pode ter ocorrido dois ou três dias antes. As circunstâncias do local e o estado do corpo dificultaram determinar há quanto tempo Christiane fora morta.
Mesmo assim, os investigadores também descobriram que o economista e a mãe dele passaram aos menos dois dias com o cadáver da vítima no apartamento em Ipanema.
Com o corpo ainda no imóvel, uma fonte na investigação disse que Pedro Paulo e Eliane continuaram a viver normalmente, inclusive saindo para beber pelo bairro da Zona Sul.
Para a polícia, a motivação para crime pode ter sido “patrimonial”, isto é, Pedro Paulo e mãe pretendiam se apossar dos bens de Christiane. Inclusive, os agentes encontraram na casa da mãe do economista computadores e celulares da dubladora.
Christiane dublava desde 1994, e fazia, entre outras vozes, a personagem Margarida, da Disney.
Christiane Louise e alguns personagens dublados por ela
Reprodução/Instagram

Ultimas notícias