AO VIVO: CPI da Covid-19 ouve Francisco Maximiano, dono da Precisa Medicamentos; siga

schimtz
schimtz Twitter
3 Min Read

Depois de quatro adiamentos, a CPI da Covid-19 ouve, nesta quinta-feira, 19, Francisco Maximiano, sócio-administrador da Precisa Medicamentos, empresa que intermediou e negociou a compra de 20 milhões de doses da Covaxin junto ao Ministério da Saúde – a companhia receberia US$ 45 milhões antecipadamente pelos imunizantes. Para os senadores, o depoimento do empresário, tido como “o homem-bomba” da comissão, é fundamental para o avanço das investigações. Apesar da expectativa, ele chega ao Senado amparado por uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que lhe garantiu o direito de ficar em silêncio em perguntas que possam incriminá-lo. Max, como é conhecido, é personagem conhecido em Brasília. Ele também é sócio da Global Gestão em Saúde, que, durante a gestão do atual líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), na Saúde, venceu uma licitação de quase R$ 20 milhões para a entrega de remédios destinados a doenças raras, mas não entregou os medicamentos.

Os negócios de Maximiano também estão na mira do colegiado em razão de fatos que ocorreram no Distrito Federal: a Precisa Medicamentos vendeu 150 mil testes rápidos para o governo do DF com um sobrepreço de quase R$ 70 por unidade, em uma operação que foi alvo da Operação Falso Negativo, que resultou na prisão do ex-secretário de Saúde Francisco Araújo Filho. Antes da oitiva, porém, os parlamentares vão apreciar mais de 185 requerimentos – entre os pedidos estão as quebras de sigilo de empresas ligadas a Ricardo Barros. Acompanhe a cobertura ao vivo da Jovem Pan: 

10:57 – Senadores aprovam requerimentos em bloco; destaques de Girão serão analisados separadamente 

Dos 187 requerimentos incluídos na pauta, 161 foram aprovados em bloco pelos integrantes da CPI da Covid-19. Os parlamentares aprovaram, por exemplo, a convocação do presidente da FIB Bank, Roberto Pereira Ramos Junior. A empresa foi indicada pela Precisa Medicamentos para emitir uma carta-fiança em favor do Ministério da Saúde. Essa carta tinha como objetivo servir de garantia para o contrato de R$ 1,6 bilhão de reais, por 20 milhões de doses da vacina, entre o governo e a indiana Bharat Biotech. Governista, o senador Eduardo Girão (Podemos-CE) pediu destaque de 26 pedidos, entre eles os que pedem as quebras de sigilo telemático de perfis no Twitter e no Facebook, além da quebra de sigilo bancário e fiscal do blogueiro bolsonarista Allan dos Santos, do portal Terça Livre. Os destaques de Girão serão votados separadamente.

10:53 – Omar Aziz abre a sessão 

Presidente da CPI da Covid-19, Omar Aziz (PSD-AM), deu início aos trabalhos desta quinta-feira, 19.

 

Share This Article